Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Passeio numa tarde de Inverno

por Júlia, em 22.02.07
Estava um dia cheio de sol e com uma temperatura agradável, apesar de estarmos no Inverno. Como o tempo convidava a sair, decidimos fazer uma pequena viagem e revisitar terras que já não víamos há algum tempo.
Apesar do passeio ter sido um pouco mais longo, resolvi concentrar-me na paisagem que se pode observar da estrada que liga Arronches ao Crato.
 
As formas de relevo antes e depois de se atravessar a ponte sobre a Ribeira de Arronches, em Arronches, não muito são diferentes. Predomina uma superfície aplanada, com algumas ondulações, que faz parte da peneplanície alentejana. A cobertura vegetal varia pouco. Nesta altura do ano, os terrenos estão cobertos de ervas, aqui e ali intercalados por manchas brancas dos malmequeres em flor. Este fundo verde vivo contrasta com o verde cinza das azinheiras que pontuam mais ou menos densamente estas terras. Com a aproximação a Portalegre, começam a aparecer os sobreiros, árvore mais exigente em água do que a azinheira.
Passamos por S. Tiago. Há uns anos tinha apenas algumas casas, poucas e modestas, junto à estrada e não constava na toponímia. Agora é um aglomerado de vivendas modernas. O facto de estar relativamente perto de Portalegre (mais ou menos 5 km) poderá explicar o seu crescimento.
A seguir a S. Tiago o relevo começa a mudar. Acima da superfície mais ou menos plana, erguem-se algumas elevações que anunciam a proximidade da Serra de S. Mamede. Em Portalegre, a Penha destaca-se pela sua imponência. Aqui podemos ver o resultado de formidáveis movimentos tectónicos que, fracturando grandes massas rochosas, as deslocaram verticalmente, dando origem um relevo escarpado e muito desnivelado. Na estrada que vai para Castelo Branco, pode observar-se, na base, rochas xistentas, a partir das quais se ergue a grande massa granítica da Penha.
Portalegre é uma cidade que está a ter uma grande expansão. Deixou a vertente da montanha para se espraiar na planície. Novas urbanizações, de alguma dimensão, estão a ser construídas perto do IP2 e do campo da feira.
Seguindo já a estrada que vai para o Crato, a paisagem modifica-se novamente. Predominam as terras mais ou menos planas, mas com afloramentos visíveis de granito, ora lisos, ora em blocos.

Montado de sobro
A cobertura vegetal também é diferente. Evidenciam-se os vinhedos da Tapada do Chaves, ainda em expansão. Os montados aparecem mais compactos, ora de azinheiras, ora de sobreiros. Nas estevas começam a aparecer algumas das suas lindíssimas flores. Aparecem também algumas terras desarborizadas que já foram searas.
Chegamos ao Crato. É uma vila, sede de concelho, com cerca de 2000 habitantes. Tem uma história muito antiga e foi sede da Ordem de Malta em Portugal. Apesar das destruições de que foi alvo, ainda há alguns vestígios de interesse. A igreja com cantarias de granito, painéis de azulejos do século XVIII e talha dourada, casas que evidenciam a sua origem nobre e portas ogivais em casas bem mais modestas. No ponto mais alto da colina onde se situa, localizava-se o castelo que foi seriamente danificado quando da invasão pelo exército de D. João de Áustria, na guerra da Restauração. Há uns anos o castelo exibia orgulhosamente as suas ruínas. Depois, as muralhas foram rebocadas e caiadas de branco. No interior, não sei o que fizeram. Agora, o panorama é ainda mais tenebroso: o que se vê é a construção não sei de quê, vislumbrando-se as armações de ferro do que serão as vigas de betão. Não me apeteceu perguntar nada sobre o que se estava a fazer ali. Apenas me invadiu uma tremenda indignação pela falta de respeito para com o património que é de todos nós.

O "castelo" do Crato

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:55


2 comentários

Sem imagem de perfil

De kaska a 22.02.2007 às 21:19

Parabéns pelo blog
Imagem de perfil

De daplanicie a 25.07.2007 às 10:49

Não podia estar mais de acordo! Foi um autêntico atentado o que fizeram com o nosso castelo. Eu continuo a achar que aquela decisão foi tomada num dia depois de uma noitada valente e ainda sob o efeito do alcool!!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D