Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Azinhagas

por Júlia, em 30.09.10

Atrás da casa havia uma azinhaga. No Inverno, as pedras soltas de granito dos muros cobriam-se de musgo, de fetos e de uma planta de folhas peltadas e carnudas a que chamávamos filhós, por se assemelharem aos tradicionais fritos de massa, próprios da época do Natal. Nalguns pontos dos muros, cavalgavam silvas que, no Verão, nos proporcionavam a colheita das deliciosas amoras.
Provavelmente essa azinhaga já não existe, engolida pelo alastramento da área urbana. Lembro-me dela sempre que encontro outras azinhagas. Como esta em Amieira do Tejo.
.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 08:21

Amieira do Tejo. Casa

por Júlia, em 27.09.10

 

No cruzamento da Rua do Arrabalde com a Rua da Carreira, no limite sudoeste da povoação, encontra-se esta casa, cuja estrutura exterior indica ser o centro de uma exploração agrícola. O andar superior revela alguma preocupação estética nobilitante. Destacam-se, na fachada, as cantarias de granito e as janelas, curiosamente muito diferentes, destacando-se uma com sacada protegida por grade de ferro forjado e outra janela geminada.

 

 

Pormenor da janela geminada. Na frente da casa virada para a Rua da Carreira, à direita na foto, existe outra igual. Repare-se na conjugação do granito com o mármore da coluna central, a qual apresenta um capitel esculpido.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 08:27

Amieira do Tejo. Rua do Crato

por Júlia, em 25.09.10

 

A parte mais antiga da vila de Amieira do Tejo é constituída por ruas principais que se estendem longitudinalmente no sentido do vale onde se encontra situada. A mais central e também a mais extensa, do ponto de vista da toponímia, está dividida em vários troços. Um deles recorda o antigo senhorio destas terras, o Priorado do Crato. É interessante verificar que o último troço, no extremo norte recebe o nome de Rua de Santa Maria, geralmente atribuído à rua principal, nas povoações mais antigas. (Ver no Google Maps)

A rua do Crato.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 08:19

Amieira do Tejo. Casa

por Júlia, em 23.09.10

Casa de arquitectura popular, com a particularidade de ter telhado de uma água, quando, o mais comum, são os telhados de duas águas. Encontra-se no largo onde se situa o castelo e, o facto de apresentar este tipo de telhado, talvez se justifique pela acomodação da casa ao declive do terreno.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 08:33

A capela, que parece incrustada na muralha do castelo e encostada à torre de S. João, foi contruída no seéculo XVI. Encimando a porta, a cruz de Malta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 08:24

Castelo de Amieira

por Júlia, em 18.09.10

Quando visitei Amieira do Tejo, em Abril de 2010, o castelo encontra-se em obras, o que impediu que pudesse percorrer e observar o seu interior.
.
O castelo da Amieira, vendo-se a entrada e, à esquerda, a capela de S. João Baptista.

 

A porta gótica de entrada no castelo, encimada pela cruz da Ordem Militar do Hospital (cruz de Malta).

 

ver mais informação sobre o castelo de Amieira.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:04

Amieira do Tejo

por Júlia, em 15.09.10

Amieira do Tejo é uma das freguesias que pertence, actualmente, ao concelho de Nisa. Já foi concelho e fazia parte dos domínios do Priorado do Crato - Ordem Militar do Hospital ou de Malta-, que se estendiam desde o concelho do Crato e se prolongavam para noroeste integrando as vilas e respectivos termos, de Tolosa, Comenda, Gavião e Amieira, na margem esquerda do Tejo, e Belver, na margem direita, e ainda os julgados do Envendo e do Carvoeiro. Estes últimos pertenciam, segundo o Numeramento de 1527-1532, à comarca da Estremadura e os primeiros à comarca de Entre Tejo e Odiana (Alentejo). É curioso verificar que, na actual divisão administrativa, Belver faz parte do concelho de Gavião, prolongando para a margem direita do Tejo o distrito de Portalegre, ou seja, manteve-se a unidade territorial herdada do Priorado do Crato. Envendos e o Carvoeiro, por outro lado, pertencem ao concelho de Mação.

Segundo o Numeramento, a vila da Amieira tinha 222 moradores - cerca de 900 habitantes - e era a segunda mais populosa, dos domínios do Priorado, logo a seguir à vila do Crato. Na informação contida neste documento consta ainda que possuía um castelo em bom estado de conservação.

Do alto da colina onde se situa a Capela do Calvário, avista-se a vila de Amieira do Tejo. Desde logo se observa uma aspecto importante: ao contrário de muitas das vilas fortificadas, as quais se encontram alcandoradas no cimo de montes, o castelo de Amieira e a  parte mais antiga da povoação situam-se num vale.

 

 

Vista de Amieira do Tejo, a partir da Capela do Calvário, vendo-se o castelo e a torre da igreja matriz

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 08:44

Capela do Calvário. Amieira do Tejo

por Júlia, em 13.09.10

 

 

Quando se chega próximo da vila de Amieira do Tejo, no cimo de uma colina, esta igreja domina a paisagem.  É um ponto de observação importante para a visita que se irá fazer a seguir.

"Erigida graças à vontade expressa em testamento de Vaz Caldeira, sargento-mor da Amieira, a capela ficou pronta em 1740. O interior, coberto por abóbada de berço, é composto por capela-mor, dois altares laterais e altar-mor todo de granito da região. Foi decretada imóvel de interesse público em 1950". História das Freguesias e Concelhos de Portugal. Vol. 12. Ed. Quidnovi.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 08:34

Construção de pedra

por Júlia, em 11.09.10

Certamente, nunca terá sido casa de habitação. Provavelmente servia para acolher animais. Em Amieira do Tejo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 08:14

Insólito

por Júlia, em 09.09.10
Vende-se Casa/Quintal - lê-se na parede do que foi uma casa e que agora é uma ruína. Fiquei com a ideia de que o anúncio se refere a esta propriedade. O local é magnífico, entre Amieira do Tejo e Barca da Amieira. Mas chamar casa a esta ruína? Imagino que, se alguém a comprar, muito pouco aproveita, a não ser o facto de ali já ter existido uma casa a sério. Em termos burocráticos, deve ser um factor a não desprezar.
Foto: Abril de 2010

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 08:39

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D