Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Curiosidades

por Júlia, em 15.06.08

 

À porta de uma mercearia, em Santa Eulália, concelho de Elvas, este galo-sineta para anunciar quem chega.

 

O pato também é figura de sineta em Alegrete, concelho de Portalegre.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:09

Torre e janelas do Palácio Amarelo

por Júlia, em 14.06.08

Situado no Largo de S. Vicente, em Portalegre, a sua construção iniciou-se no século XVII e continuou nos séculos XVII e XIX.

 

Torre da Casa Amarela

 Janela sobre a entrada principal do palácio

 

Uma das janelas da fachada lateral que fecha um dos lados da praça.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:37

Portalegre. Rua

por Júlia, em 12.06.08

Rua 19 de Junho, vendo-se, ao fundo, uma das torres da Sé.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:36

Portalegre, Fonte Nova

por Júlia, em 11.06.08

Toda construída em mármore, está datada de 1894.

O largo é enquadrado por algumas das belas casas que abundam nesta cidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:03

Portalegre. Rua e portas

por Júlia, em 10.06.08

Rua 5 de Outubro e Portas da Devesa

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:34

Portas de Alegrete

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:35

Portalagre. Convento de Stª Clara

por Júlia, em 08.06.08

A construção deste convento iniciou-se no século XIV e foi acrescentado nos séculos seguintes,  até ao século XVIII. Entre 1995 e 1999 foi objecto de uma intervenção, no sentido de o recuperar e adapatar a uma nova função: a de albergar a Biblioteca Municipal de Portalegre.

As obras de recuperação tornaram-no um edifício moderno e funcional, mas mantendo os elementos que atestam as intervenções de que foi alvo ao longo dos tempos.

 

Claustro do convento.

Os elementos arquitéctónicos, nomeadamente os arcos, atestam as diferentes fases de construção do convento.

 

Tritão da fonte

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:33

Portalegre industrial

por Júlia, em 06.06.08

Torres da antiga Fábrica Robinson. Importante unidade industrial da cidade, destinada à transformação da cortiça. A instalação da "fábrica das rolhas", como era conhecida, remonta ao século XIX. Para uma informação mais detalhada, ver aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:31

Crato. Fonte de Perofilho

por Júlia, em 04.06.08

 Quem vem de Portalegre depara-se, à entrada do Crato, com esta fonte ao mesmo tempo simples e monumental. Do lado esquerdo, acede-se à fonte descendo alguns degraus; um murete separa a fonte onde se enchiam os cântaros de barro, do tanque para os animais beberem.

 

A fonte com o tanque e a carranca de granito, vendo-se, à direita o canal que conduzia a água para o bebedouro dos animais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:17

O Plátano de Portalegre

por Júlia, em 03.06.08

"Assinalando os 170 anos de existência, o Plátano de Portalegre, que tem a maior copa da Península Ibérica, será alvo de trabalhos de manutenção, substituição e nova pintura de suportes, na quarta e quinta-feira. Um trabalho que estará a cargo da Fundação Serralves, do Porto. Plantado no Rossio de Portalegre em 1848 pelo botânico José Maria Grande, a árvore depressa se desenvolveu, aproveitou a linha de água que ali passa, criando sólidas raízes e mantendo-se, ainda hoje, como um ex-libris da cidade. Considerado de interesse público, o Plátano de Portalegre tem grande parte do seu tronco soterrado – apenas cerca de 30 metros estão visíveis. Debaixo da sua copa (com cerca de 34 metros de diâmetro médio) abrigou feiras e negócios, conversas de ocasião, encontros de namorados e até reuniões políticas." Diário de Notícias, 2 de Junho de 2008, página 28.

 

O Plátano de Portalegre fotografado em Março de 2008

 

Felizmente que ainda há, neste país, quem ame e preserve o património arbóreo. O Grande Plátano tem sobrevivido às "podas camarárias", talvez porque alguém, no passado, propôs a sua classificação como árvore de interesse público. Outras árvores vizinhas não tiveram a mesma sorte,  não tendo escapado à sanha podadora da autarquia.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:19



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D