Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Alter do Chão. Preciosidades

por Júlia, em 30.04.08

Como na maior parte das aldeias, vilas e cidades, é preciso tempo para passear calmamente pelas ruas e ir procurando motivos e detalhes que passarão despercebidos a uma visita mais apressada.

 

 Numa das ruas mais antigas, a Rua do Crato, encontra-se esta peça esculpida em mármore encimando uma porta.

 

Janela geminada renascentista.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:40

Alter do Chão. Sinfonia em amarelo

por Júlia, em 29.04.08

Se tivesse de classificar as terras em função de uma cor, diria que Alter do Chão é uma vila amarela. É claro que as casas são pintadas de branco. Mas nos rodapés, no enquadramento das janelas e portas, em elementos decorativos, predomina o amarelo.

 

 Casas, uma das quais já terá sido uma capela.

 

 O frontão da entrada de uma quinta

 

 A parte superior e torres sineiras da igreja do convento de Santo António, construção do século XVIII.

 

A janela de uma casa

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:39

Cheiros

por Júlia, em 26.04.08

Já há muito tempo que não passava nestes campos da parte norte do concelho do Crato e, sobretudo, nesta altura do ano.

As arroteias e o cultivo das terras mais a sul, teve como consequência o desaparacimento de muitas espécies da flora local. Por isso, não existe no ar o aroma forte da vegetação espontânea característica das regiões de clima temperado mediterrâneo.

Pelo contrário, nestas áreas do nordeste alentejano, num dia quente de primavera, mas já anunciando o verão, tudo rescende: o aroma dos eucaliptos mistura-se com o da giesta em flor e o da xara (esteva).

 

Nos arredores de Monte da Pedra, a giesta em flor e uma pequena amostra dos afloramentos de granito que justificam o nome da aldeia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 17:38

Paisagem no Crato

por Júlia, em 25.04.08

Hoje, na estrada entre o Crato e Monte da Pedra.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 19:11

Alter do Chão. Pormenores de fontes

por Júlia, em 24.04.08

São várias as fontes que se podem ver no casco urbano de Alter do Chão. A mais conhecida é a Fontinha, toda em mármore, localizada  na Praça da República. A data de construção é de meados do século XVI e foi mandada fazer pelo Duque de Bragança D. Teodósio I.

Do final do século XVIII existem dois chafarizes, o da Barreira e  dos Bonecos, com elementos de alvenaria e trabalho em massa muito ao gosto popular. 

Outra fonte, mais recente, toda em granito, localiza-se num largo enquadrado pela Capela de Sant'Ana e pela antiga escola primária com a tipologia das escolas da 1ª República. Está integrada numa área de crescimento recente da vila.

Pela sua simplicidade, chamou-me também a atenção o fontanário junto ao Mercado Municipal.

Destas fontes fixei alguns apontamentos.

 

 Os tritões, esculpidos em granito, da fonte no largo onde se situa a Capela de Sant'Ana (Rua da Infância).

 

 A parte central do frontão do Chafariz dos Bonecos. Localizada no extremo sul da vila, junto à praça de touros, o seu nome deriva de pequenas esculturas que tinha nas extremidades e no coroamento. Nota-se que foi cortada e muito modificada.

 

 Um pormenor do Chafariz dos Bonecos

 

O fontanário que se encontra encostado à parede do edifício do  Mercado Municipal. A bacia de recepção da água, o enquadramento da bica e o enfeite por cima do painel de azulejos são de granito.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:38

Pelourinhos (7)

por Júlia, em 23.04.08

Pelourinho de Alter do Chão, em granito. Construído no 1º. quartel do séc. XVI, estilo manuelino, composto de coluna torsa, com decoração vegetal.

 

Pormenor da decoração da coluna

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:37

Dia da Terra

por Júlia, em 22.04.08

A Natureza em todo o seu esplendor. Rio, árvores e nuvens.

 

OS PARAÍSOS ARTIFICIAIS

 

Na minha terra, não há terra, há ruas;

mesmo as colinas são de prédios altos

com renda muito mais alta.

 

Na minha terra, não há árvores nem flores.

As flores, tão escassas, dos jardins mudam ao mês,

e a Câmara tem máquinas especialíssimas para desenraizar as árvores.

 

Os cânticos das aves - não há cânticos,

mas só canários de 3º andar e papagaios de 5º.

E a música do vento é frio nos pardieiros.

 

Na minha terra, porém, não há pardieiros,

que são todos na Pérsia ou na China,

ou em países inefáveis.

 

A minha terra não é inefável.

A vida da minha terra é que é inefável.

Inefável é o que não pode ser dito.

 

                                                         Jorge de Sena

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:58

Alter do Chão

por Júlia, em 21.04.08

Alter do Chão é concelho desde o século XIII, quando recebeu o primeiro foral, no reinado de D. Sancho II. No século XVI já pertencia aos domínios da Casa de Bragança. Ainda hoje, o castelo que se destaca no largo principal da vila, é propriedade da Fundação da Casa de Bragança. Ao contrário de outras vilas próximas, cujo núcleo mais antigo se situa no cimo de um monte, o castelo de Alter do Chão ocupa uma área plana. Foi mandado construir por D. Pedro I, em 1359. O facto de estar muito bem conservado parece indiciar que a função residencial foi mais importante que a função defensiva. Escapou à sorte que teve o vizinho castelo do Crato que, em 1662, foi completamente arrasado pelo exército de D. João de Austria.

 

O castelo está classificado como monumento nacional e há que destacar o cuidado que tem sido posto pela autarquia no seu enquadramento paisagístico. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:36

Lantana

por Júlia, em 20.04.08

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 09:00

Roseira e rosa

por Júlia, em 20.04.08

Roseira de uma vedação que está a ficar coberta de pequenas rosas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 08:58

Pág. 1/3



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D