Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Evoramonte. Torre/Paço Ducal

por Júlia, em 21.12.08

"A Torre/Paço Ducal é um exemplo único da arquitectura militar de transição, do manuelino final, sem antecedentes nem precedentes em Portugal. Foi construída em 1532 e a sua função nunca terá sido de defesa, servindo basicamente como residência de caça dos Duques de Bragança. A sua posição dominante e cénica, no meio da planície, cumpre na íntegra o propósito da sua construção: afirmar a casa de Bragança como a segunda mais poderosa do Reino e dando sentido à máxima: "depois de vós, nós", ou seja, depois do Rei, a Casa de Bragança. Esta particlaridade está fortemente presente na concepção do edifício, através dos Nós que envolvem o mesmo e que se tratam de um símbolo da heráldica dos Braganças, adoptado pelos arquitectos responsáveis pela sua construção: os irmãos Francisco e Diogo Arruda.Em planta, trata-se de um edifício disposto na forma de um quadrilátero regular, com quatro bastiões circulares nos bvértices. Possui três pisos, suportados por fortes colunas decoradas, onde assentam abóbadas polinervadas em tijolo. Do terrço, com parapeito para artilharia, admira-se um panorama de rara beleza e policromia da peneplanície alentejana."  (Folheto da Junta de Freguesia de Evoramonte)

A propósito do poder dos Duques de Bragança, note-se que, em 1527, o rei D. João III mandou fazer o recenseamento da população do reino. No entanto, os escrivães encarregados dessa tarefa foram impedidos de o fazer nos domínios do Duque de Bragança, quer na Comarca de Entre Douro e Minho, quer na Comarca de Entre Tejo e Odiana. Mais tarde, o Duque mandou fazer o conto dos moradores e apresentou-o ao rei. Neste caso, a máxima não se cumpriu: o "vós e o nós" estavam situados ao mesmo nível.

 

 A Torre/Paço Ducal, evidencia-se no ponto mais alto da elevação onde se situa a vila de Evoramonte.

 

Um aspecto da sala do piso térreo.

 A sala do 2º piso

 A sala do 3º piso. Note-se a diferente decoração das colunas dos três pisos e a beleza das abóbadas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:56


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D